quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Livro - Resenha #46 | O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, Emily Brontë (EDITORA LANDMARK)



Nome original: Wuthering Heights
Autora: Emily Bronte
Editora: Landmark
Páginas: 303
     
ATENÇÃO: ESSA RESENHA PODE CONTER SPOILERS

O único livro escrito por Emily Brontë é considerado um dos maiores clássicos da literatura britânica. Pouco conhecido até que aparecesse como um dos livros favoritos de Bella Swan, em Crepúsculo, O Morro dos Ventos Uivantes fala de amor, mas principalmente de vingança e uma pitada de obsessão.

Heathcliff foi encontrado por Mr. Earnshawn em uma viagem. Ele então o traz para sua casa, o então chamado Morro dos Ventos Uivantes. Heathcliff, negro e cigano que mal falava, foi odiado pela família desde o início, principalmente por Hindley, o filho mais velho de Mr. Earnshawn, por este achar que estava perdendo a afeição de seu pai, que amava e se preocupava muito com Heath. A única, no entanto, que se afeiçoou rapidamente pelo garoto (além do pai) foi Catherine, também filha de Mr. Earnshawn, e ela e Heath criaram laços muito fortes de amizade, que posteriormente se transformava em amor.


Quando, então, os pais de Hindley morrem e este assume o comando do Morro dos Ventos Uivantes, ele proíbe Heathcliff de estudar e passa a tratar o menino apenas como um trabalhador braçal de suas terras. Ele odeia a amizade de Heath e Catherine, por isso também dificulta a vida dela por causa de Heath.

Heathcliff ama Catherine com toda a certeza de sua alma e Catherine o ama da mesma forma, mas Edgar Linton, habitante da Granja Thrushcross, também parte da propriedade do Morro dos Ventos Uivantes, se encanta pela garota. Catherine então, fica num empasse.

Ao mesmo tempo que quer a calma e a comodidade que pode ter com Edgar, também deseja a selvageria e a paixão de Heathcliff, e, visto que seu amor de infância não terá condições de sustentá-la ou de sustentar sua posição social, Cath casa-se com Edgar.

Heath, completamente desolado, foge do Morro dos Ventos Uivantes e fica fora por muito tempo, enquanto Cath e Edgar vivem felizes. No entanto isso não dura para sempre, já que o antigo serviçal volta, agora como um cavalheiro desejável. Cath fica imensamente feliz e Edgar com ciúmes, enquanto Heathcliff procura vingança, tanto dos que o subestimaram e humilharam um dia, quanto de Catherine por ter escolhido Edgar à ele.

Heathcliff provavelmente é um dos personagens mais bem feitos e difíceis de se entender. O amor que sente por Catherine é tão grande que poderia matá-la, coisa que de um jeito ou de outro, ele faz, amaldiçoando-a nos últimos momentos de vida e depois, sofrendo terrivelmente com sua morte.

Catherine, por sua vez, parece um pouco mais fácil de ser entendida pelo leitor. Mimada e egoísta, ela odeia ser contrariada, mas seu amor por Heath é puro. Ela queria uma vida cômoda, sabia que com Edgar a teria, embora seu amor por ele se transformasse com o tempo, enquanto seu amor por Heathcliff era sólido e eterno. Cometeu erros e se arrependeu deles, mas não teve tempo e nem forças para tentar consertar qualquer um.


Depois da morte de Cath, Heathcliff era assombrado por seu fantasma. Mesmo assim, ele ainda tinha raiva em seu coração, e provou isso, tratando muito mal sua esposa, Isabela, e posteriormente até mesmo Cathy, filha de Catherine que nasceu pouco antes desta morrer, forçando ela a casar-se com seu herdeiro doente, Linton, para que ele também pudesse ter a posse da Granja Thruscross quando, inevitavelmente, Linton morresse por sua natureza fraca e debilitada.

A morte de Heathcliff vem junto com a insanidade que lhe toma o corpo. Ele quer morrer, porque sabe que assim ficará perto de sua amada, mas espera pacientemente que ela o busque. E ela vem, terrível e sedenta por sua alma.

Não me admira que esse seja o casal favorito de Bella ou de muitos outros. O amor deles não era e nem tentou ser bonito, ele era trágico e cruel. Certas vezes obsessivo e doentio, mas nunca falso. Ao contrário, era o mais sincero que poderia ser. A loucura e egoísmo dos dois os trouxe ao terrível e cruel final que tiveram, merecido, mas triste.

Eu acredito que Emily Brontë quis mostrar aos leitores que, diferentes como somos, nossas formas de amar também variam e que, mesmo diferentes, nenhuma delas é inválida. Este não é um livro sobre romance, não é um livro fácil de se ler e entender, e não digo isso pelo tipo de linguagem usado, mas pelo tema em si.

O Morro dos Ventos Uivantes fala sobre até onde o amor por uma pessoa pode chegar, até onde poderemos cometer loucuras trágicas por causa do amor e no quanto este pode ser destrutivo. Fala de egoísmo, de vingança, de sentimentos mórbidos cada vez mais insanos, coisas completamente novas para se abordar na época em que o livro foi publicado (em 1847), e apesar de saber que existem diversos gostos por aí, insisto em dizer que quem não gostou deste livro por achá-lo chato ou superestimado, não o leu de verdade, não o sentiu ou não procurou entendê-lo no seu íntimo.

Com certeza, foi um dos livros que mais me marcou e também marcou muita gente, porque aqui vemos que nem todo amor verdadeiro tem o final feliz e bonito que imaginamos.


Emily tem uma escrita bonita e envolvente. Mesmo nos trechos mais corriqueiros, temos pressa em saber o que vai acontecer em seguida. O livro, narrado por Ellen Dean (ou Nelly), que cresceu junto e serviu Catherine por muito tempo e estava envolvida em basicamente todos os assuntos de sua senhora e Heathcliff, teve uma descrição detalhada dos acontecimentos, o que nos dava mais excitação em saber mais. Claro que há uma dúvida nos leitores do quanto certos momentos podem ter sidos mal interpretados por Nelly e portando, mal interpretado por nós, já que ela é a única que conta o que aconteceu à sua forma e visão, mas sendo ou não, não importa. A história continua sendo bem narrada e tão emocionante quanto poderia ser.

Vale lembrar que Nelly conta a história à Mr. Lockwood, um cavalheiro que decide alugar a Granja Thruscross por alguns dias de seu dono, o próprio Heathcliff. Ele fica sabendo da morte de Heath, quando, depois de um tempo longe da Granja, ele volta para acertar o pagamento e visitar Nelly, que por sua vez conta como foi a morte do patrão à Lockwood.

Em relação à essa edição da Editora Landmark, devo dizer que ela deixou a desejar. Apesar da capa linda, do bom tamanho das letras e fonte legível, a edição possui erros de ortografia, tanto no texto, quanto na contracapa. Nenhum erro muito grave, no entanto, apenas erros normais de digitação. A revisão deveria ter sido feita com mais atenção.

Enfim, eu sinceramente amei este livro, sua história, que embora trágica, tem seu encanto e magia. Espero que quem não leu, leia e goste tanto quanto eu gostei.

CURIOSIDADES

A obra foi adaptada diversas vezes para o cinema, a primeira em 1920 e a mais recente em 2011. Aqui no Brasil duas telenovelas foram feitas, em 1967 e 1973, respectivamente O Morro dos Ventos Uivantes' e Vendaval. No meio musical romance tem sido popular em óperas, ressaltando as escritas por Bernard Herrmann e Carlisle Floyd, além da clássica canção de Kate Bush, lançada em 1978. - Créditos das informações aos donos.

Por: Lauren 

4 comentários:

  1. Uma leitura envolvente e bem completa sobre um amor verdadeiro que não teve final feliz como tantos outros romances já escritos.Um ponto talvez negativo q achei é que a leitura parece ser um pouco complexa. Mas a história em si, parece um pouco atraente. Eu compraria para ler

    www.geracaoselfie.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gente acha a leitura complexa por causa da linguagem mais formal. Eu, particularmente, como disse na resenha, acho que a complexidade está em entender o amor dos dois e aceitá-lo como algo que existe e pode acontecer. Eu gostei muito da leitura e realmente indico :)

      Obrigada pela visita ♥

      Excluir
  2. Amei esse livro a estória é envolvente cativa o coração, mesmo que não tenha o final esperado pelo leitor, é bem realista. na minha opinião muitos não gostam da estória exatamente por isso, nem todo a estória necessita de um final feliz, nem toda mocinha e a cinderela. Quanto a crueldade do Heathcliff vem como herança de toda uma vida, afinal nunca deve amor, as pessoas sempre o rejeitaram, então em faz o que faz com crueldade e já que não pode fazer aqueles que lhe fizeram sofrer, mira a sua raiva para os filhos destes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Heathcliff sofreu muito. Esse, provavelmente, é um dos meus livros favoritos e eu fico abismada com a dificuldade que as pessoas têm de entender Heathcliff ou então o amor dele e de Catherine.

      Obrigada pela visita ♥

      Excluir

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo