sábado, 30 de janeiro de 2016

DO FUNDO DO ♥ | Último ano, novas responsabilidades


Graças a Deus eu estou no meu último ano do ensino médio. UFA! Dá um alívio pensar que em menos de doze meses eu terei acabado a escola, mas, ao mesmo tempo, me dá um medo terrível também.

Assim como muitos outros jovens, eu ainda não sei o que eu vou querer cursar o ano que vem. Sou apaixonada por várias coisas e dentre todas elas, não me vejo trabalhando em nenhuma. Isso me assusta, e muito.





Não sei se sofro por antecipação ou coisa parecida, mas meu medo de chegar ao final do ano sem saber o que eu quero fazer é muito grande, principalmente por eu não fazer parte de uma família financeiramente estável. Resumindo tudo: a essa altura, eu já deveria ter uma profissão em mente e estar apostando todas as minhas fichas em cima disso, me esforçando e estudando para nos vestibulares alcançar meu objetivo. Ao invés disso, não sei o que fazer.

Fico muito nervosa ao saber que tenho provas desse tipo (mesmo aqueles simulados gerais que a gente tem na escola, que, como o nome já diz, são simulados que não valem nem um décimo do que o ENEM vale), então confesso que já comecei a estudar para os vestibulares que só devem acontecer no final do ano, e mesmo assim ainda estou bem perdida, sem saber por onde começar.

Nunca fui organizada e estou dando o meu melhor para conciliar os estudos com o blog e as tarefas de casa (isso porque ainda falta a escola, a qual ainda não começaram as aulas e eu vou ter que dar um jeito de encaixar na rotina também), mas é muito mais difícil do que eu imaginava. Estou simplesmente fazendo de tudo para não pirar.

Toda essa fase que eu estou passando (que, no caso, está só no começo) meio que me mostra como a vida nos muda, nos molda. A um ano atrás eu mal pensava nesse momento, enquanto agora tenho que correr meio que contra o tempo e me esforçar para que os sonhos que eu tenho se tornem realidade um dia (sonhos esses que nem estão 100% certos na minha mente). De repente, temos que criar vergonha na cara e assumir responsabilidades de gente grande. Ninguém vai estudar por mim, ninguém vai fazer a prova por mim, ninguém vai chegar e simplesmente dizer "não precisa prestar vestibular, eu pago a faculdade particular que você quiser estudar". Eu tenho que assumir essas coisas, estudar porque se eu não estudar não vou fazer a faculdade que eu quero e ter o emprego que eu quero; fazer a prova com dedicação e atenção; passar numa faculdade pública ou então conseguir bolsa em uma particular. E não só eu, como vários jovens da minha idade.

A adolescência não é tão legal e brilhante quando paramos para pensar nesses momentos (e em outros vários também, que não dizem respeito a esse post), não é tão divertida. É assim que a vida nos ensina a viver, é assim que nos tornamos as pessoas que vemos trabalhando em grandes ou pequenas empresas, é assim que o mundo muda, que ele gira, que ele é tudo o que vemos ao nosso redor.

Não é algo tão horrível quanto parece, quero dizer, é isso que nos faz ser adultos independentes, conquistadores dos nossos méritos, pessoas de sucesso (ou não), mas às vezes toda essa pressão que eu recebo de todos os cantos me fecha em um quadradinho e eu sinto que não sei mais respirar.

De uma forma bem geral, tudo o que está acontecendo agora e tudo o que está por vir me mostraram o quanto é mais fácil ser criança e o quanto crescer pode ser incrivelmente aterrorizante.

Por: Lauren

4 comentários:

  1. Oooi! Tudo bem?

    Flor, não se assuste. Eu me formei a três anos, também não sabia o que fazer da vida e acabei sendo influenciada e "empurrada" para a medicina. Eu gosto da profissão e acabei abaixando a cabeça por achar que poderia dar certo, mas essa minha falta de "tesão" pelo curso atrapalhou muito e hoje estou aqui, com a faculdade trancada depois de cursar dois anos, tentando decidir novamente o que fazer. Como você, gosto de várias coisas, como história e cinema, mas não me vejo trabalhando com elas. Vou estudar e tenho até o fim do ano pra tentar outra faculdade. Torço pra que dessa vez eu faça a escolha certa. Mas o que quero deixar claro é que você não PRECISA saber o que fazer agora. Sim, somos pressionados a já sair da escola direto pra faculdade, e a situação da sua família pesa, mas vai ser pior se você for pra uma profissão que não gosta. Não tenha vergonha em dizer que não sabe o que quer, se preciso passe um ano trabalhando enquanto resolve sua vida, e só então, com confiança total que está fazendo a escolha certa, selecione a faculdade. Eu fiquei literalmente doente por me forçar a ir em um curso muito exigente e que não me deixava feliz, e não aguentei ficar. Não teria sido melhor eu perder um ano "sem fazer nada" pra depois me jogar de vez em uma profissão, do que três fazendo algo que não gosto, pra agora ter que passar por todo o processo de novo? Pense nisso, e desculpa o desabafo.

    Beijinhos, te espero lá no http://amendoasefelpices.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu realmente me sinto bem perdida nessa fase, mas agradeço de todo o coração por tudo o que me disse. De alguma forma, deu uma acalmada por dentro kk Obrigada mesmo, e não precisa se desculpar, adorei conhecer sua história. Realmente, quando parece tudo confuso, às vezes temos que dar uma acalmada e deixar as coisas esfriarem para decidir para onde vamos.

      Vou visitar seu blog sim! Obrigada pela visita aqui no RL ♥

      Excluir
  2. Estou no segundo ano e já estou com aquele friozinho na barriga, pois dentro de dois anos estarei dentro de uma faculdade. Mas vou te falar algo que minha professora de literatura diz para todas as turmas formandas: CARPE DIEM! Viva intensamente, se entregue aos seus sonhos. A vida costuma retribuir aquilo que damos à ela.
    Boa sorte e que a sorte esteja ao seu favor nessa caminhada!

    http://intoxicadosporlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Carol! É sempre muito bom receber essa força de alguém, mesmo que seja alguém que você não conhece... De verdade ♥ Desejo o mesmo para você, tanto nesse ano, quanto para o ano que vem! Beijos!

      Excluir

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo