domingo, 20 de setembro de 2015

Série - Crítica #18 - Grace and Frankie (1°TEMP)


Duração de cada episódio: 28 - 33 min
Gênero: Comédia
Produzida por: Netflix
N° de episódios: 13
Temporadas: 1 (renovada para a segunda)
Ano: 2015
     



Grace and Frankie, mais uma das séries lançadas pelo Netflix esse ano, conta a história de duas amigas após descobrirem que seus maridos, Sol e Robert, as traíam juntos. Agora, as duas idosas precisam superar o fato de seus ex maridos estarem casando, enquanto tentam se suportar uma à outra.

Grace é uma mulher muito bem sucedida, mas aposentada. Sempre preocupada com a aparência, é elegante e cheia de classe. Já Frankie é literalmente uma mulher de paz, comunista, mãe adotiva de dois filhos e completamente maluca. No começo, as duas não se suportam, mas acabam encontrando uma na outra a força que precisam para passar por esse momento difícil.


Para Sol e Robert as coisas também não são fáceis, afinal se assumir gay, principalmente depois de bem velhos, não é algo aceito de forma passiva. A série retrata isso, mostrando que mesmo que você ame muito uma pessoa a ponto de desistir de toda a sua vida por ela e pelo que você realmente é, as coisas nunca serão o mar de rosas que achamos que será. 

Grace and Frankie não banaliza nada nem usa o exagero para ser engraçada. Não é algo que eu comecei a assistir para rir, embora tenha sim seus pontos cômicos. O maior deles é ver como as duas mulheres completamente diferentes se adaptam uma à outra e os atos que têm para superar o baque de uma notícia como a que tiveram, assim como as memórias do passado. Cada uma tem sua forma peculiar de pensar e agir, e é isso que nos faz rir.

A série traz a aceitação da sexualidade e a superação de diversos assuntos de uma forma sutil e agradável. Percebemos o drama que há nas situações, mas não é algo pesado. Achei a forma de humor apropriada e bem contrabalanceada com a ideia da trama.

Além disso, dentre várias situações e abordagens de vários assuntos, a série leva em conta mostrar que não há idade para o amor, nem mesmo situações próprias para acontecê-lo. A qualquer momento da vida é hora de viver, e mesmo que algo te abale muito, é sempre possível levantar e seguir em frente.

Os diálogos são bons e muito inteligentes. A série inteira aborda diversos tabus além do homossexualismo, como drogas, preconceitos, aceitação própria, entre outros, É muito diversificado e ao mesmo engraçado.


A fotografia me pareceu boa e os episódios não são tão grandes, o que é bom pois não torna a série cansativa. Gostei também da construção dos personagens, até mesmo dos que não aparecem tanto e, como é uma série pequena (apenas treze episódios), dá para assistir bem rápido, até mesmo quem não têm tanto tempo.

Eu sinceramente mal posso esperar pela segunda temporada. Tudo acabou de um jeito um tanto quanto desesperador para o telespectador, o que me deixa péssima porque, apesar da Netflix ter renovado para a próxima temporada, ainda não há previsão de quando liberará os novos episódios. Só o que me resta é aguardar!

Beijos e até a próxima!

Resenha por: Lauren

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo