quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Livro - Resenha #39 - Desastre Iminente, Jamie McGuire (VERUS)


Nome original: Walking Disaster
Autora: Jamie McGuire
Editora: Verus
Páginas: 405
Ano: 2013
     

O livro conta exatamente a mesma história que o primeiro, com a única diferença - ou grande diferença - de que é narrado somente pelo Travis. Ou seja, lendo esse livro você vai vivenciar tudo de novo, só que com mais emoção e mais detalhes, já que ele é o louco apaixonado do casal.

Confesso que quando descobri que o segundo livro não era uma continuação e sim um outro ponto de vista, fiquei com receio, afinal isso mudaria muitas coisas e realmente mudou. O fato é que: eu amei o segundo mais do que o primeiro!

Eu nunca havia implorado por nada na vida, porém silenciosamente implorei que ela dissesse que me queria. Que se importava comigo. Algo do gênero. 

Nesse livro conhecemos um lado do Travis diferente, além de descobrir o porquê de tudo acontecer como aconteceu. Tudo toma um ar de intensidade ainda maior do que em Belo Desastre.

Não vou falar que não acontece nada de novo, porque na verdade acontece, porém poucas coisas. Como já disse, as coisas agora são no ponto de vista dele, então tudo é mais intenso e mais agoniante.


Travis tem em sua mente um único ensinamento que sua mãe lhe deixou antes de morrer. Tanto ele quanto os seus irmãos, levam isso muito a sério, e por isso Travis acaba virando um babão apaixonado (e até fofo) que tanto nos cativou.

Em primeiro lugar, não tem problema em ficar triste. Não tem problemas ter sentimentos. Lembre-se disso.

O livro passa por variações de emoções e ânimos. Confesso que tiveram momentos em que eu queria jogar o livro pela janela de tanta "frescura" e melação, assim como tiveram momentos de implorar por uma cena de amor e raiva.

Mas tudo compensa na epílogo. SÉRIO! Tudo faz sentido, as quatrocentas e cinco páginas lidas, os capítulos arrastados, as brigas, as agonias, tudo vale a pena quando você vê o final que a história tomou. Não foi nada inesperado, mas saber que depois de onze anos tudo deu certo – mesmo com as brigas - é maravilhoso!

Eu tenho a sensação de que eles são reais, que eles existem e tem uma vida lá fora. Esse foi o primeiro livro que a autora conseguiu fazer um final clichê com que eu gostasse tanto. Eu definitivamente acabei o livro incrivelmente feliz.


Cada aniversário de casamento uma vitória, um dedo do meio erguido para todo mundo que achava que eu e Abby não duraríamos juntos. (...) Baixei o olhar para o meu pulso e arregacei a manda da camisa. O apelido da Abby ainda estava lá, e eu ainda me sentia melhor sabendo disso.
Enfim, é isso! Beijos e até a próxima viagem!

Resenha por: Pietra Petinati

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo