domingo, 23 de agosto de 2015

Série - Resenha #15 - Gossip Girl (review completa da série)


Duração: 40 - 45 min.
Gênero: Drama teen, Romance
Emissora: CW
N° de episódios: 18 (T1), 25 (T2), 22 (T3), 22 (T4), 24 (T5) e 10 (T6)
Temporadas: 6 (terminada)
Ano: 2007 - 2012
  


Como falar sobre essa série? 

Gossip Girl foi a série que eu mais tive paciência e a que eu mais demorei para acabar de ver. São seis temporadas, onde acontecem exatamente as mesmas coisas com basicamente os mesmos personagens vivendo em um mundo fechado de pessoas ricas e com poder. 

Confesso que nunca tive interesse em assistir, mas de tanto ouvir sobre a Blair e o Chuck, resolvi ver do que se tratava.

A serie é narrada pela Garota do Blog, uma pessoa anônima que vive entre os moradores do bairro de elite de Manhattan, Upper East Side. A Garota do Blog sabe de tudo que acontece pelas redondezas, e não poupa as palavras para falar em seu blog de fofocas o que as pessoas da elite andam aprontando. Ela foca suas notícias principalmente em duas amigas, Serena Van Der Woodsen e Blair Waldorf. Logo no começo, percebemos que, embora já tivessem vivido uma grande amizade, o clima entre elas anda pesado.


Serena e Blair são totalmente opostas uma da outra. Serena, apesar de sempre se encrencar, acaba conseguindo o que quer de modo muito fácil, com sua carinha de santa e sua facilidade em enganar as pessoas. Ela sempre foi meio "largada", fazia as coisas na hora em que bem entendia, embora pensasse mais nas pessoas que convivia. Sua mãe sempre esteve ausente por medo de encarar seus problemas, e Serena acabou aprendendo as coisas da vida sozinha. Já Blair faz o papel da típica patricinha que não víamos na TV a muito tempo, sempre com suas seguidoras fieis e os responsáveis ausentes. Mesmo vivendo em sua vida luxuosa, tem mais trabalho em conseguir as coisas, e para finalmente tê-las, não se preocupa em pisar nos que estão à sua volta. 

No meio de reconciliações e brigas, existia um mundo à parte para qual todos os personagens precisavam passar; Chuck com a sua rebeldia e carência, Nate com a família falindo e Dan, que sempre tentou fazer parte desse meio da Elite. Todos acabam se metendo em brigas, amizades coloridas, triângulos amorosos e até mesmo em alguns momentos se vendo membros da mesma família. 

Para começar, eu achei desnecessária a quantidade de temporadas que essa série tem. Dava para fazê-la com quatro temporadas no máximo, e assim as coisas se encaixariam melhor, sem os vários rodeios que teve. Há momentos em que você não consegue deixar de ir para o próximo episódio, como também há momentos em que você não vê a hora que a temporada acabe ou que algo de interessante finalmente acontece. Até dói afirmar que o sentimento que predomina, no entanto, é a segunda opção citada.


Gossip Girl é uma serie repetitiva e sem acontecimentos marcantes. Eles simplesmente contam a história de adolescentes passando para fase adulta em um mundo onde vivem somente quem é da Elite. Lógico que no meio de uma temporada para outra acontecem muitas coisas, fatos interessantes, muitos momentos de tensão e tudo mais, mas nada fora do normal. A série basicamente te mostra como é o mundo da Elite de Manhattan.

O que eu gostei bastante, o qual foi justamente o motivo de eu não desistir de assistir GG, foi ver a evolução de alguns personagens, vê-los crescendo e aprendendo a viver dentro desse mundo louco. Embora a maior parte deles continue da mesma forma que começaram (o que eu achei um grande erro, mas já, já falo mais do porquê), os poucos que conquistaram a sua maturidade já deram um gostinho de dever cumprido. 

Chuck Bass foi o que mais cresceu nesse sentido, mentalmente e emocionalmente. Confesso que em muitos momentos senti falta do velho Chuck, mas não vou negar que ver ele como um homem de negócios, formado e sério, (muitas vezes ao lado da Blair) foi muito excitante.

Nossa querida Blair demorou um pouco mais para evoluir, mas conseguiu superar a competitividade que existia dentro dela e passou a ver que o que realmente importa é seu amor pelo Chuck (eles são lindos juntos!).


Já a Serena não evoluiu bosta nenhuma, continuou na mesma, fugindo dos problemas e tentando achar alguém para culpar. Só na última temporada ela conseguiu entender que o mundo não gira ao seu redor, e que mesmo ela fazendo todas as coisas erradas, Dan sempre foi e será seu amor. 

E em falar em Dan, o que dizer sobre o menino solitário? Ele conseguiu o que queria! Conseguiu viver no mundo dos ricos e “ser” como eles, embora tudo não tenha sido um mar de rosas que ele e nós achávamos que seria. Ele precisou de muita força e determinação, para continuar com seu “plano” e não desistir de seu amor pela Serena. Dan teve tudo como planejou, mesmo nas escorregadas que dava no meio do caminho, tudo acabou como ele queria.

Não vou falar de todos os personagens, porque muitos deles considero (desculpem aos fãs) inúteis na série, ou inúteis para mim, já que não fizeram nenhuma diferença durante as temporadas. Mas no geral, conseguimos ver todas as transformações (ou não) de cada um deles, sejam elas como forem. 

A série acabou sendo fraca pelos dois únicos motivos os quais eu já citei aqui e vou retomar, explicando como poderia melhorar (na minha opinião): a repetitividade e falta de evolução da maioria dos personagens. 


Numa série como essa, onde o foco é a vida (literalmente) dos personagens, eles devem evoluir, para que os obstáculos que eles vão enfrentar também evoluam, até que o final chegue. A maioria dos telespectadores tem como seu personagem favorito o Chuck ou Blair, não só por serem um casal e fazerem parte dos principais, mas sim porque vemos os adolescentes se transformando em um homem e uma mulher com novos pensamentos, novas perspectivas, novos princípios e prioridades, o que é o contrário do Nate, por exemplo, que é um bobão do começo ao fim, ou da Serena, que é sempre a garota que faz as coisas a hora que quer e acaba inocentada no final. 

Gossip Girl foi terminada às pressas por seu cancelamento da sexta temporada, que só teve dez episódios, em 2012. Isso poderia ter sido evitado e, ainda, as temporadas maçantes (quarta e quinta) não seriam maçantes. 

O que fiquei mais bolada no final de tudo, foi na hora de revelar quem era a tal da Garota do Blog. Para mim não foi uma surpresa porque já tinha deduzido e pego spoiler, mas nem mesmo os próprios personagens demonstraram espanto. Espera um pouco, como assim??? Você passa seis anos da sua vida (ou mais) com uma pessoa anônima falando e espalhando merda sobre você na internet, e quando descobre simplesmente aceita? Numa boa? SÉRIO? Fiquei r-e-v-o-l-t-a-d-a! 


Mesmo que estivessem terminando às pressas e não tivessem mais dinheiro para produzir o tanto de episódios que consistiriam num conflito digno com a tal pessoa, poderiam ter pelo menos feito uma carinha de espanto, não é?

De qualquer forma, é série é bem legal e até divertida. Eu indico para quem amava As Patricinhas de Berverly Hills e Sex And The City, ou até para quem curte um drama adolescente. Vocês vão amar!

OBS: só uma dica, a quarta temporada é a mais chata, mas prometo que depois fica legal ok? Não desistam da série! Sou chata para coisas repetitivas, mas até com essas minhas críticas e reclamações, sinto falta de assistir Gossip Girl. XOXO

E é isso! Um beijo e até a próxima viagem!

Resenha por: Pietra (part. Lauren)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo