quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Livro - Resenha #31 - O Filho da Natureza, Isis L. M. J.


Nome original: O Filho da Natureza
Autor: Isis L. M. J.
Editora: Clube das Autoras
Páginas: 757 (em PDF)
Ano: 2015
    


O Filho da Natureza, primeiro livro da trilogia Filhos da Natureza (que ainda não terminou de ser lançada) conta a história de Sam Shaw, um adolescente nascido depois do que chamam de Devastação.

A Devastação foi uma série de desastres naturais que dizimou a Terra, fazendo com que sobrassem pouquíssimas pessoas por aqui. Após a Devastação o nível de radioatividade subiu muito, transformando esses sobreviventes, para melhor ou pior. A maioria das pessoas que sobreviveram são 'normais', o que significa que conseguiram suportar o nível maior de radiação sem mudanças no corpo; Outras, as quais foram muito afetadas, vivem escondidas nas florestas e são chamadas de Coisas. Esses foram expulsos das aldeias por serem muito agressivos e talvez canibais; por último, mas não menos importante, também surgiu um terceiro tipo de pessoa, as quais possuem habilidades especiais. Quase ninguém sabe que esse terceiro grupo existe, exceto o novo governo, que os captura e mata. Eles possuem um esconderijo o qual vou citar mais para frente.

A história começa a partir do ano 0050, ou seja, cinquenta anos depois da Devastação e nesse novo Mundo a sociedade restante é separada restritamente entre os ricos, que moram em cidades mais bem equipadas, e os pobres, que moram em Aldeias. Sam mora na Aldeia, perto da cidade de Suvers, com seu pai, sua mãe, seu melhor amigo e sua mãe, e Chuck, um gato.

Tudo ia bem (ou pelo menos o quão bem poderia estar na situação atual do Mundo) quando os líderes da Nova América (como o país é chamado agora) decidem fazer um anunciamento (coisa que é bem raro acontecer) falando sobre um grupo de rebeldes chamado Filhos da Natureza. Em primeiro momento, Sam não dá importância para isso, mas quando seu pai é morto pelos soldados e sua mãe o obriga a fugir com ela para uma espécie de acampamento subterrâneo que pertence aos Filhos da Natureza e é aí que a história realmente começa.

Antes de começar mesmo, queria pedir desculpas por qualquer coisa que pareça ofensiva. Eu tentei escrever isso da forma mais construtiva possível. A autora é um amor e eu adorei conversar com ela, além de ter sido muito legal da parte dela disponibilizar o livro antes de ser lançado em versão física para que fizéssemos resenha. Obrigada Isis ♥

Bom, já faz um bom tempo que eu recebi esse livro da própria autora para resenhar (me desculpe pela demora, Isis!). Eu acabei demorando por dois motivos principais: ela me mandou o livro em PDF e eu não tenho mais o aparelho para ler livros digitais, o que significa que eu tive que ler no computador. Era difícil finalmente ter o tempo para ler e, além disso, o livro não é nada pequeno (757 páginas).

A autora teve uma ideia bem legal e diferente para escrever essa trilogia. De cara, quando li a sinopse, já me interessei pela história, embora eu tenha tido um pequeno desconforto quando vi um "blá, blá, blá" (literalmente isso) na sinopse. Na minha opinião, a menos que o livro seja para ser engraçadinho e suave (tipo um chik-lit) usar essa expressão é meio amador (mesmo em chick lit é preciso usar com cautela). No fim, ignorei isso, baixei o PDF disponibilizado e comecei a leitura no mesmo momento.

A narrativa da autora é mediana, o que eu compreendo, já que é o primeiro livro que ela escreve, mas ao mesmo tempo que eu ficava com um pé atrás, queria continuar lendo (estranho, eu sei, mas vocês vão entender). Eu tinha a impressão que tudo daria numa história super legal, cheia de ação e dramas, e no final, não me enganei tanto assim. Apesar das palavras cortadas e de vários erros de português, os quais me desanimaram bastante, o livro tem uma história bacana, a qual, infelizmente, não foi bem elaborada. 

Sinceramente, achei que a única coisa que faltou mesmo foi a habilidade para desenvolver a ideia criada. Isis explicou coisas que não precisavam e nem deveriam ter explicações, os diálogos são pobres (muitas coisas que eles falam enquanto conversam ninguém no Mundo diria, além de parecerem realmente infantis às vezes) e eu não consegui me identificar com nenhum personagem, embora eles tenham sido bem legais.

Outra coisa que não me agradou foi o romance principal entre o Sammy e a Cat. Eles se apaixonaram perdidamente um pelo outro tão rápido que deu a ideia de que o romance foi forçado. Em um segundo Sam conhece a garota e no outro já está doente de amores. Eu gostaria de ter visto esse romance se desenrolar mais vagarosamente. Daria um bust legal no decorrer do livro, principalmente por haver no meio o ex da Cat, que foi um pequeno empecilho na relação e poderia ter gerado um draminha ativo e considerável na trama.

A trama em si lembra bastante a série The 100 (com resenhas das duas temporadas aqui no blog) e Maze Runner. O livro é contato do ponto de vista do Sam em primeira pessoa e as piadinhas e trocadilhos que ele solta no meio da leitura me lembraram um pouco o Percy, de Percy Jackson.

Em geral, Isis teve uma ideia incrível mas foi infeliz na hora de passar toda a sua imaginação para o papel.

Independentemente de tudo isso, tenho um pinguinho de curiosidade de ler o segundo livro. Acredito que ela tenha me mandado a obra original sem a revisão da editora, então tentarei comprar os dois primeiros (quando sair o segundo) para poder analisar se a editora fez as correções (muito) necessárias. Grande parte da minha desanimação e infelicidade em ler O Filho da Natureza se deu aos erros gramaticais em excesso.

Mais uma vez, obrigada à autora por nos ter disponibilizado o livro! Desejamos muito sucesso e muitos mais livros na sua carreira, que está só no começo ♥

Enfim, é isso pessoal! Até a próxima viagem!

Resenha por: Lauren

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo