domingo, 5 de julho de 2015

Série - Resenha #10 - The Vampire Diaries (4°TEMP)


Duração de cada episódio: 42-45 min.
Gênero: Fantasia, Drama, Suspense e Romance
Emissora: CW
N° de episódios: 22
Temporadas: 6 (ainda em andamento)
Ano: 2009 - atualmente
Nota:



Nessa temporada temos a difícil e chata adaptação da Elena como vampira e a transformação dos irmãos Salvatore. Damon deixa de aparentar ser o irmão inconsequente e indestrutível e passa a ser mais sentimental, agindo como cachorrinho da Elena na maior parte do tempo. Já Stefan deixa de ser o caçula responsável e protetor, assumindo uma posição mais agressiva a qual eu não achei que conseguiria sustentar por muito tempo mas me enganei. Stefan para de pensar na Elena como o centro de sua vida (ou pelo menos tenta) e passa a ser menos sentimental e bonzinho. Em outras palavras, os Irmãos Salvatore parecem trocar de papel.


A temporada foca na corrida atrás da cura para o vampirismo, o que é muito cansativo, já que tudo gira em torno disso e nada mais acontece. Mesmo assim, essa temporada não foi um desperdício completo e teve seu lado bom.

Jeremy finalmente tem uma função importante e deixa de ser o irmão humano inútil (Aleluia, Senhor!). O Gilbert caçula virou caçador de vampiros, e é em seu corpo que existe o mapa para a cura que todos estão atrás. Em contrapartida, Bonnie passa a mexer com magia negra, o que não é nada bom, pois ela passa a ser uma “bomba relógio” perigosa.


A princípio, todos vão atras da cura para a coitada Elena, mas durante a corrida, os conceitos de muitos mudam, e a Elena deixa de ser prioridade.

A temporada em si é bem ‘parada’ e chega a ser maçante em alguns pontos. Um dos momentos menos chatos é quando a Elena desliga sua humanidade, o que dá uma ponta de alegria para quem assiste, já que movimenta um pouco a série. Pela primeira vez temos contato com uma Elena forte e não a coitada a qual estamos acostumados e isso quase me fez pular de felicidade. Alguns dizem que as cenas ficaram muito forçadas e que pareciam mais uma imitação da Katherine do que a Elena, mas na minha opinião ficaram legais e diferente.


Mesmo depois que Elena recupera sua humanidade, ela aparenta ter evoluído e amadurecido, o que é gratificante para o telespectador que já estava cheio da Elena sonsa. Para nos deixar ainda mais satisfeitos e fechar com chave de ouro, finalmente ela assume que ama Damon.

Vale ressaltar que a cena foi linda e combinou com os personagens. Não achei forçada, mas foi bem diferente do ocorrido com Stefan.

A quarta temporada é marcada como os últimos momentos que vemos o trio Original em TVD. Como sabem, Os Originais ganharam um spin-off que logo foi aprovado como uma série da CW. Fizemos resenha da primeira temporada, e hoje em dia a série está indo para a terceira com ótimos números e nenhuma suspeita de cancelamento.


Resumindo, eu costumo dizer que a quarta temporada é dividida em duas partes: antes e depois da transformação da Elena em vampira. A quarta temporada é, de longe, muito inferior às três anteriores, mas apesar disso, acontecem coisas importantes que nos levam à quinta e penúltima temporada gravada e exibida pela CW.

No último episódio, temos a graduação de alguns personagens no terceiro ano do colegial, o que nos mostra que, apesar de tudo, os produtores não se esqueceram dessas partes com 'menos importância' e, apesar de viverem entre vampiros, ainda resta um resquício de vida humana em cada personagem.



Resenha por: Pietra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo