sexta-feira, 17 de julho de 2015

Filme - Resenha #14 - Cinderela (2015)


Nome original: Cinderella
Duração: 1h54min
Ano: 2015
Gênero: Fantasia/Romance
Nota:


Cinderela é mais uma refilmagem do clássico conto de fadas da Disney.

Ella é uma garota feliz que, após a morte da sua mãe, vive com o pai em uma casa grande a qual viveu muitos momentos felizes em família. Seu pai, um comerciante, decide casar-se novamente com uma viúva e logo a madrasta e suas duas meias irmãs vêm morar na casa a qual Ella sempre viveu.

Seu pai sempre viajava a negócios e, em uma dessas viagens, o pobre homem acaba adoecendo e falecendo. Ninguém fica mais triste que Ella, no entanto, sua madrasta também fica arrasada já que com o pai de Ella morto, eles ficarão pobres.


Decidindo cortar custos, a madrasta manda todos os criados da casa embora e é Ella quem faz todos os serviços desde então. Num dia, Ella decide fugir para a floresta afim de ficar pelo menos por um tempo longe delas e acaba por conhecer o príncipe, sequer sabendo quem ele realmente é. Ela não diz seu nome ao senhor Kit, como o príncipe se apresenta à ela, e os dois acabam voltando para seus destinos.

O Rei, pai do Príncipe Kit, está doente e Kit deve escolher logo uma princesa para casar-se e unir forças, no entanto, ele não para de pensar na jovem garota que conheceu na floresta. Mesmo seu pai ordenando que case-se com uma princesa, o que favoreceria o reino e a segurança do filho e de seu povo, Kit pede aos conselheiros do castelo que chame toda a população, desde nobres até plebeus, para um baile no castelo. Ele espera que Ella venha e que seu pai mude de ideia quando perceber que ele está realmente apaixonado pela jovem garota.


Como previsto, Ella é proibida de ir ao baile, mas sua fada madrinha aparece, dando-lhe tudo que precisa para encantar o príncipe e, é claro, o aviso de que à meia noite toda a magia se dissipará e tudo que foi transformado voltará à sua origem.

Feliz, Ella vai para o baile, dança com o príncipe e passa o resto da noite na companhia do apaixonante Kit enquanto todos os convidados do castelo se perguntam quem é a jovem princesa misteriosa de azul, que encantou à todos e roubou a total atenção do Príncipe Kit.


Ao ouvir os sinos alertando que a meia noite chegara, Ella se desculpa com o príncipe e vai embora, não antes de agradecer-lhe pela noite, passar pelo rei e, é claro, esquecer seu sapatinho de cristal na enorme escadaria que dava ao palácio. Agora, o Príncipe Kit deseja, à todo custo, encontrar sua misteriosa princesa de azul, mas não será tão fácil quanto ele imagina.

Devo dizer que, antes de realmente assistir o filme, ouvi diversas opiniões que me deixaram um tanto confusa. Muitos falaram extremamente mal, outros disseram que é uma refilmagem incrível e eu tive que tirar minhas própria conclusões, embora tenho o feito um tanto quanto tarde.

Cinderela tem uma fotografia perfeita e uma certa classe indescritível. Apesar de ser um conto já bem conhecido e seguir quase que exatamente cada acontecimento do clássico, Cinderela não me deixou entediada em nenhum momento, aliás, bem pelo contrário, me deixou encantada durante todos os 139 minutos de duração.


Eu achei as escolhas dos autores muito boa e, ao contrário de muitos, achei o príncipe lindo! Em alguns momentos a atuação de Lily James (Ella) me pareceu um pouco exagerada demais, mas na maior parte da trama ela foi muito bem. E o que dizer da nossa maravilhosa Helena Bonham Carter como Fada Madrinha? Essa mulher é perfeita em qualquer papel e, nos poucos minutos que ela aparece, já conseguiu dar seu toque especial no filme inteiro e, me atrevo a dizer, roubar a cena, brilhando, como sempre, nas telas!

O figurino escolhido ficou lindo e eu gostei muito do vestido azul que Ella usou no baile. Minha única objeção, na verdade, foram algumas cenas muito exageradas, que me deixaram um pouco chateada.


A cena em que Ella chega ao baile, por exemplo, foi um exagero só. Acho que se tivessem mantido um pouco da simplicidade do clássico o filme chegaria bem perto de ser um dos melhores do primeiro semestre desse ano, na minha opinião.

O modo como ela chega ao salão principal e como todos olham para ela enquanto Ella desce as escadas parece sugerir que ela era a anfitriã. Além disso, o príncipe, de onde quer que ele estivesse, surgiu do outro lado do salão e na cena todos abrem caminho para os dois, enquanto começam a primeira dança da noite (e a única que realmente dançam). Eu achei bonito, mas essa parte não me lembrou em nada o conto da Cinderela. Às vezes, menos é mais.



No geral, eu achei um filme bem caprichado. Obviamente é uma história que todos já conhecemos, ou seja, não temos muitas surpresas no decorrer do enredo, só algumas mudancinhas que não mudam em basicamente nada o clássico original, mas eu sinceramente achei que conseguiram dar um toque de encanto a mais no filme, como se realmente fosse uma história nova.

Para quem não assistiu por conta de ouvir várias opiniões ruins, sugiro que procure o filme na internet e realmente assista, porque vale sim a pena. Eu adorei!

E é isso! Beijos e até a próxima viagem!

Resenha por: Lauren.

Um comentário:

  1. Desconfiava muito do sucesso que pode vir a ter esse filme, mas sem dúvida é um filme da Disney com um elenco e produção de qualidade. A idéia de dar vida a essas histórias clássicas da infância, acabou. Quem ainda não viu o filme tem que aproveitar.

    ResponderExcluir

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo