sexta-feira, 12 de junho de 2015

Livro - Resenha #17 - Eve & Adam, Michael Grant e Katherine Applegate (NOVO CONCEITO)


Autora: Michael Grant e Katherine Applegate
Editora: Novo Conceito
Gênero: Ficção Científica
Páginas: 272
Ano: 2014
Nota:



Evening, mais conhecida como Eve, é filha de uma milionária cientista/médica, Terra Spiker, que demonstra ser bem fria, ainda mais depois da morte de seu Marido (que era artista). Sua relação com a mãe nunca foi boa, mas depois que seu pai morreu, as coisas pioraram, e Eve foi obrigada a aceitar a personalidade da mãe.

Um certo dia, ela estava andando na rua e se distraiu com uma maçã que estava a venda e que segundo as descrições dela, aquela maçã era diferente. Sem prestar atenção no movimento da rua, Eve acaba sofrendo um atropelamento muito grave. Sua perna estava estraçalhada, seu braço nitidamente torto, fora o sangue que não parava de escorrer de seu rosto.

Ela acorda em uma cama de hospital com gritos de sua mãe, exigindo que ela seja transferida para seu “hospital”. E em flashs ela narra que está sendo deslocada, e que a todo momento um funcionário de sua mãe, aparentemente chamado Solo, fica dizendo que tudo vai ficar bem, para ela não se preocupar.

Créditos da foto à Hello Star

O que mais deixou Eve irritada no processo de recuperação, foi o tédio e a falta do que fazer. Sua mãe proibiu sua única amiga, Aislin, de visita-la, já que a mãe acredita que Aislin seja drogada. O que resta a Eve nada mais do que conversar com Solo, e aos poucos ela vai descobrindo que ele realmente é, ou quem aparenta ser.

Sua mãe deu uma opção para Eve, para ver se assim ela parava de encher o saco. A opção era a seguinte: Eve tinha que trabalhar em um projeto para sua mãe chamado 88715, onde ela criaria um ser humano, e em troca a amiga dela poderia visita-la. O projeto foi criado para estudar a genética humana e Eve aproveita isso para criar o Homem Perfeito.


Com o decorrer da história, Eve começa perceber que sua recuperação está muito rápida, e que sua família tem segredos.. Agora vai dela saber o quão anormal podem ser.

Bom, o livro tinha absolutamente tudo para ser incrivelmente perfeito e envolvente. Mas a escritora falhou....

Os erros começam logo nas primeiras páginas quando não sabemos quem está narrando, e isso dificulta na hora de entender o pensamento do personagem. Além disso, parece que a escritora se perdeu no meio da história e criou outro rumo totalmente diferente e sem sentido para os personagens, e acredite em mim, não tem nada a ver com as características dadas por ela no começo.

Outra coisa que fica muito confuso é quando ela está montando o projeto, não sabemos como funciona e acho que faltou mais detalhes para podermos imaginar. Em nenhum momento ela foca no romance, e ela deixa isso claro na sinopse, mas ela jogou uma cena romântica no meio do livro e outra no final, como se isso não fosse importante, sendo que no percorrer da história vemos uma paixão crescendo. Mas o que me deixou mais chocada, foi o fato da autora conseguir concluir todos os problemas do livro em uma página e meia, e ainda por cima jogar uma ceninha de romance, só para dizer que teve. Sinceramente, esperava MUITO mais desse livro...


Mas não posso só criticar, achei a ideia “futurística” bem diferente e ao mesmo tempo realista. A capa não fica de fora, achei linda e criativa.

Enfim, essa foi minha opinião, mais independente disso leiam e me digam o que acharam.

OBS: A autora já começou a escrever o segundo livro, o qual ainda não tem nome em português e nem previsão para lançamento. Esperamos que esse seja melhor!

 Beijos e até a próxima viagem!

Resenha por: Pietra Petinati

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo