sexta-feira, 5 de junho de 2015

Livro - Resenha #15 - Quem é você, Alasca?, John Green (INTRÍNSECA)


Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 240
Ano: 2005
Nota:



 Miles é um garoto de 16 anos, que mora na Flórida e que tem uma “mania” interessante: decora as ultimas palavras de grandes (ou não) figuras. Como ele não tem amigos, acaba sendo um garoto solitário, até que ele decide ir atrás de Um Grande Talvez.

Miles vai para uma escola interna e lá conhece Chip Martin, mais conhecido como Coronel, Takumi e Alasca, por quem se apaixona logo de cara.


Uma rotina diferente da que tinha na Flórida, faz Miles estranhar quase tudo. Mas isso não o impede de se enturmar e criar confusões na escola e na sua própria cabeça! 

Coronel, Takumi e Alaska são um trio cômico que aprontam algumas no colégio: Coronel é um cara inteligente (ou como ele mesmo ele diz: um gênio) que faz os esquemas de todas as peripécias; Takumi executa os planos (não sozinho, claro); e temos Alasca, uma garota misteriosa, divertida e é quem tem a ideia de todas a peripécias.

Dos três, Miles fica mais intrigado e apaixonado por Alasca. Ele tem algumas perguntas sobre Alasca – porque ela da longas e rápidas tragadas no cigarro; porque o nome dela é Alasca; porque ela é tão misteriosa, e se ela já leu todos os livros que tem em seu dormitório.


A partir daí o livro se desenrola em torno dos quatro, mas principalmente em torno de Alasca e Miles.

Por ser um romance, o livro tem que ter o casal principal, que seria formado por Alasca e Miles, o que não é verdade porque eles não são um casal, já que Alasca tem namorado e afirma que o ama. Isso não impede Miles de nutrir o seu amor pela garota, mesmo quando ela surta do nada. Mas o que o faz ficar mais intrigado, e talvez até ama-la mais, é o fato de ela ser um mistério que parece nunca ser desvendado.

Bom, eu não gosto muito do John Green, mas eu adorei esse livro. Amei a Alasca, por ser uma personagem tão autentica, e o jeito como Miles a descreve me fez ficar ainda mais apaixonada por ela, não pelo físico, mas por sua essência. Amei o nome dela e o fato de ter tudo a ver com ela.


Algumas vezes Miles me irritou um pouco - principalmente depois do ocorrido (que obviamente não vou contar qual foi, estragaria a leitura de vocês) –, não sei explicar o porquê, mas se você ler essa obra talvez me entenda.

Gostei também da escrita de Green, muito simples e direta, o que não faz com que nunca nos cansemos da história. O livro é dividido entre “antes” e “depois”, isso faz com que a gente queira ler mais rápido. Além de ser bem realista e usar bastante a linguagem de adolescentes, John Green conseguiu usar a ironia a seu favor nessa brilhante história.


Esse livro me fez ver muita coisa de um modo diferente, pensar de modo diferente e até perceber coisas que antes eu não percebia. Eu não vou falar o que, por que acho cada um deve ter sua própria lição do livro, até porque cada um de nós entende certas coisas de modo diferente.

Eu recomendo a todos que forem ler que prestem atenção nos mínimos detalhes, por que isso vai ajudar a entender muita coisa.

RECOMENDAMOS À:
Quem gosta de histórias misteriosas e filosóficas bem leves e, é claro, à todos os fãs do maravilhoso João Verde. Quem leu e gostou dos livros do David Levithan também pode se interessar bastante, já que a forma de escrita dos dois é bem parecida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo