quinta-feira, 18 de junho de 2015

Filme - Resenha #10 - Mad Max: Estrada da Fúria


Nome original: Mad Max: Fury Road
Duração: 2h
Ano: 2015
Gênero: Ação
Nota:



O filme se passa no período pós-apocalíptico em que o mundo luta por água e petróleo, logo os mais afortunados são os que possuem esses bens.

Max (Tom Hardy), que prefere viajar sozinho, é capturado por “garotos” (digamos que eles tenham o comportamento meio selvagem) - que pertencem à Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne) - e é levado para Cidadela – que também pertence à Immortan Joe.


Immortan Joe, um homem horrendo – tanto no físico quanto no espirito –, possui um grande reservatório de água potável, o que lhe dá o direito de comandar a Cidadela e todos que vivem nela. Além disso, ele possui as mulheres “leiteiras” – que são usadas para extrair leite –, e também as suas preciosas escravas sexuais e parideiras, que ainda são obrigadas a usar um cinto de castidade horrível.


Ainda temos a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron), que parte em uma missão para Immortan Joe. Mas no meio do caminho ela “muda de ideia”, se desviando do caminho. E então descobrimos que, na verdade, ela está com as parideiras dele, e que ela quer tira-las da Cidadela e leva-las pra um lugar melhor.

É aí que começa a corrida para pegar as garotas e Furiosa, e leva-las para Immortan Joe.



E Max?
Max é doador de sangue universal, então ele é usado como bolsa de sangue para os garotos de Immortan Joe, e um deles acaba levando ele para essa corrida como uma espécie de “bolsa de sangue humana ambulante”. É ai que ele entra nessa historia, fugindo e ajudando Furiosa (de início, contra sua vontade).


Em um primeiro momento, o motivo de toda essa briga parece ser idiota, mas analisando um pouco mais o tema não parece tão idiota assim (segundo alguns esse filme tem um teor feminista, então faz sentido).

A Imperatriz Furiosa foi a personagem que mais se destacou (além de Max, claro), mostrando ser uma mulher forte e que vai acabar com qualquer um que tente impedi-la de concluir seu plano. Furiosa e Max formam uma bela dupla de guerra. Mesmo no começo havendo desconfiança de ambas as partes, eles acabam se ajudando formando uma amizade.



Mais tarde entra um grupo de velhinhas - que antes eram “guardiãs” de Vale Verde, um lugar lindo e pacifico, mas que foi destruído -. Essas velhinhas são extraordinárias, e que apesar de serem velhas sabem muito bem como manejar uma arma.

Mad Max é um filme com muita ação. São raras as cenas paradas. Na verdade, o filme tem uma ação excessiva, mas isso não significa que seja ruim. As cenas são bem exageradas e completamente impossíveis de acontecer na vida real. Sempre há explosões, tiros e muita correria. Por exemplo, em várias cenas do filme aparece uma banda que acompanha Immortan Joe nessa batalha, pode explodir uma bomba do lado deles, ou tomarem o caminhão deles, mas eles não param de tocar.

E é isso! Beijos e até a próxima viagem!
Resenha por: Bia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo