terça-feira, 21 de abril de 2015

Livro - Resenha #07 - Não se apega, Não, Isabela Freitas (INTRÍNSECA)


Autora: Isabela Freitas
Editora: Intrínseca
Páginas: 250
Ano: 2013
Nota:



 Acho que esse é o livro menos óbvio do mundo! E um dos que mais me intrigou, também...

Logo no começo do livro, a nossa autora (e personagem principal) nos avisa que "essa é uma história sem um final feliz", mas parece meio errado acreditar nisso quando se começa a leitura. Quer dizer, somos acostumados com o final feliz. Um final triste ou não tão feliz como imaginamos que seria, mesmo à nossa maneira, nos tira da nossa zona de conforto e foi isso que aconteceu comigo nessa leitura. Por mais que ela tenha avisado, a teimosa aqui esperou (e muito!) um final mega feliz, tanto que quase cheguei a ficar chateada no final, que aliás, não parecia um final. Fins são simples, vem sem avisar, ponto final.

A história é tão simples e ao mesmo tempo, tão cheia de mistério que você fica presa, por algo que não existe. É intrigante e chega até dar uma certa raiva. Quem gosta de ser surpreendido por uma coisa incomum? Sejam sinceros consigo mesmos: não irrita o fato do livro mudar o final que você imaginou e esperou? Pois bem, ela consegue fazer você amar esse fato.


Nossa autora e personagem, Isabela, consegue ser detalhista e ao mesmo tempo displicente. Ela é magnifica, o livro é perfeito, a história é extraordinária, e tudo isso porque ela consegue ser realista sem ser óbvia, e ainda sem revelar o segredo do desapego.

Ela fala, em todo momento, sobre a sua vida e como, sem perceber, todos vivemos em situações semelhantes. Em cada problema, ela mostra como lidar com eles de uma forma simples e até mesmo engraçada... De certo modo é um livro de auto ajuda, mas tem uma história por traz disso. Existe a vida de uma menina em crise, onde tudo a sua volta muda, como os minutos.
Querido Cupido, desejo que você morra atingido pela própria flecha. (Página de início ao capítulo 6)
Para eu, que não sou nada fã de livros de auto ajuda, esse quase não parece um, apesar de meio que ser, como eu já disse anteriormente. A história, o modo como ela o conta, te faz esquecer isso ao mesmo tempo que realmente te ajuda em alguns pontos.


A capa do livro não poderia ser descrita com outra palavra a não ser perfeita. A cor vermelha por si só já chama atenção (aliás, o livro inteiro é composto por tons fortes de vermelho, que ao invés de repelir, te faz ter mais vontade de ler), ao mesmo tempo que você, leitor, imagina um final romântico, apesar do título. Não é o que acontece, mas isso não me fez, de forma alguma, amar menos o livro.

A leitura é descontraída, engraçada e sugestiva. Te faz pensar em tudo, no que quer para sua vida e no que já tem, enquanto te faz dar boas risadas. O único ponto negativo é que o livro é pequeno, ou seja, acaba rápido.

Não se apega, não”, é o primeiro livro da escritora Isabela Freitas, e acho que ela acertou em cheio ao escrever sobre a sua vida. Ela deixa bem clara as suas indecisões, seus medos, detalha bem sobre os personagens e deixa você criar a imagem dela, o que foi corajoso de sua parte, afinal, são pouquíssimas as pessoas que aceitam falar de si mesmos para todos de forma tão reveladora, tanto em seus pontos fortes como os fracos. Temos medo que as pessoas saibam das pequenas coisas que nos tornam imperfeitos, mas ela não teve.

Por essas e outras razões, eu lanço um desafio a vocês, leitores: desafio vocês a não se apegar ao livro.

Beijos, e até a próxima viagem!

Resenha por: Pietra Petinati (part. Lauren Y)

EXTRA
A autora tem um blog (www.isabelafreitas.com.br), onde posta vídeos, curiosidades, textos sobre o dia a dia, etc.!

RECOMENDAMOS À:
Sinceramente, a toda e qualquer pessoa existente na Terra! 

O livro é rapidinho de ler, então, para quem está começando a entrar nesse universo da leitura, "Não se apega, não" é uma ótima escolha. Para quem já está acostumado a ler, vai demorar dois palitos para terminar esse livro, dependendo do tempo que você tem disponível, e ainda vai amar e querer ler de novo.

Além de tudo, como já disse na resenha, o livro é descontraído, suave e engraçado. Quem não gostaria de ler um livro assim?

VIROU FILME?
Não e nem há previsão para que vire algum dia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo