terça-feira, 14 de abril de 2015

Livro - Resenha #06 - Dezesseis Luas, Margaret Stohl e Kami Garcia (GALERA RECORD)

Autora: Margaret Stohl e Kami Garcia
Editora: Galera Record
Páginas: 485
Ano: 2013
Nota:


Em primeiro lugar, não posso deixar de comentar essa capa. Todas as capas da série Beautiful Creatures são lindas, e a primeira com certeza não é uma exceção. Só de olhar para a capa de Dezesseis Luas (ou de qualquer outro dos livros da série), a primeira coisa que vem na sua cabeça é sempre a mesma: Magia, e é mais do que óbvio que isso é o que não falta no livro. No entanto, se eu tivesse escolhido, faria o prata ser mais vivo. Ele é um tanto opaco demais, mas, de qualquer forma, isso não deixa a capa menos interessante.


Desde muito tempo, a Galera Record tem sido a minha editora favorita. Não é para puxar saco de ninguém, mas todos os seus lançamentos têm sido maravilhosos (e feito muito sucesso). Dezesseis Luas é, com certeza, um exemplo disso.

O livro conta a história de Lena Duchannes, uma jovem Conjuradora que ainda não atingiu a idade de ser invocada pelas Trevas ou pela Luz, embora ela tema miseravelmente que seja invocada pelo lado negro. A garota se muda para a pequena e pacata cidade de Gatlin, onde seu tio, Macon Ravenwood, acredita que ela ficará a salvo de quem quer influenciá-la e levá-la para as Trevas.
"Esse era o meu segredo, tudo que queria contar. Eu tinha 16 anos, estava me apaixonando por uma garota que não existia e estava ficando louco." Pág. 13
Pela fama que sua família carrega, Lena não é bem aceita na cidade, sobretudo na nova escola, exceto pelo galã Ethan Wate, o qual é o único que acha errado todo o preconceito das pessoas com ela e sem perceber, acaba se envolvendo com a menina gradativamente, o que faz com que os cidadãos de Gatlin também o olhem estranho.

Juntos, os dois acabam descobrindo mistérios que envolvem a invocação de Lena para o lado da Luz ou das Trevas. Embora ele seja um simples humano, parece que só ele pode protegê-la do que está por vir, e Ethan não vai medir esforços para que isso aconteça.


Uma das coisas que eu achei mais interessantes em todo o livro é o fato de que é o Ethan que narra toda a história. Essa é uma coisa diferente que foi muito bem explorada. Geralmente, é a personagem feminina principal que narra a história, ainda mais quando ela é a “especial”, mas ler de acordo com o ponto de vista do Ethan foi algo novo e muito legal. Dá uma perspectiva diferente das situações retratadas e de como ele fica assustado cada vez que descobre algo novo com ou sobre Lena e sua família, ao mesmo tempo que se sente estranhamente em casa quando está com ela. Essa nova perspectiva ainda mostra o quanto um garoto fica estruturamente diferente quando se apaixona, sendo por uma garota normal, linda e espontânea, ou uma Conjuradora, poderosa e destemida, até porque, para Ethan, Lena é as duas coisas.


O livro em si só fica diferente do que vemos no filme de Dezesseis Luas da metade para frente. Antes disso, parece que o filme seguiu muito bem os passos do livro, embora, diferentemente do filme, o livro é completamente interessante do começo ao fim, com ótimas explicações para tudo o que acontece, e como já é esperado, muitos mais detalhes que tornam Dezesseis Luas um livro inesquecível e completamente diferente de outros livros de feiticeiros ou bruxos que você já tenha lido por aí.

De primeira, o livro é um pouco confuso, nada que quem já lê livros desse estilo vá estranhar muito, ou até quem não lê. E eu adorei a forma como termina. O desfecho do filme já foi algo esperançoso e bonito, mas o do livro tem um “Q” a mais.
A escuridão não pode expulsar a escuridão; Só a luz pode fazer isso.
A ódio não pode expulsar o ódio; Só o amor pode fazer isso. - Martin Luther King Jr.
A narrativa das autoras é perfeita e simples, além de cheia de detalhes, os quais são ótimos aliados da nossa imaginação. É claro que, se você já assistiu ao filme vai imaginar Gatlin e os vários lugares da cidade, bem como alguns objetos e, é claro, as pessoas, como estão no filme e isso não é algo ruim. Podem falar o que quiserem do filme, mas se tem algo que eles fizeram bem e fielmente foi o cenário.

Emocionante, enigmático, intrigante e envolvente. Essas são as palavras que definiriam de melhor forma o primeiro livro da série Beautiful Creatures, Dezesseis Luas.

RECOMENDAMOS À:
Todo e qualquer fã de literatura sobrenatural. Aos leitores e fãs das sagas: Crepúsculo, Os Instrumentos Mortais, Fallen, Halo, Bruxos e Bruxas, Poderosa, e várias outras nesse estilo.

Para quem está querendo começar a ler livros sobrenaturais, a série Beautiful Creatures com toda a certeza é uma das suas melhores opções!

VIROU FILME?
Sim! O filme de Dezesseis Luas estreou em 2013. A atriz Alice Englert fez o papel de Lena, enquanto Alden Ehrenreich interpretou Ethan. Embora os dois (e também todo o resto do elenco maravilhoso) tenham feito um ótimo trabalho, no entanto, o filme não faturou muito. Sendo assim, não existe filmes dos outros livros da série.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo