quinta-feira, 9 de abril de 2015

Filme - Resenha #02 - Pegar e Largar


Duração: 124 minutos (cerca de uma 2 horas)
Ano: 2007
Gêneros: Drama e Romance
Classificação indicativa: +14
Atores principais: Jennifer Garner, Timothy Olyphant
Nota:


O filme ‘Pegar e Largar’ conta a história de Gray Wheeler, uma jovem noiva que acaba perdendo o noivo na véspera do seu casamento.

Além de toda a tristeza de perder seu amor e a falta de jeito com os familiares dele, Gray se depara com uma surpresa nada agradável ao dar uma fugida do funeral de seu falecido quase marido para poder ficar sozinha com seus pensamentos e sofrimento. Ela “presencia” um dos melhores amigos de seu noivo – Fritz – transando com uma menina do buffet. Com tanta tristeza e raiva dentro de si, ela acaba por não falar nada e sair do local, deixando Fritz sozinho com sua própria vergonha.


Como se não bastasse isso, ao começar a reorganizar sua vida sem seu noivo, Gray acaba descobrindo um segredo dele e passa a conhecer novas faces que um cara que ela julgava conhecer.  Simultaneamente ela começa a conhecer Fritz de um jeito totalmente diferente do que ela imaginava e acaba por se apaixonar por um cara que ela pensou que jamais se apaixonaria.

Sabe aqueles dias que você não tem nada para fazer e está num tédio total, então decide abrir o Netflix e assistir qualquer coisa? Foi exatamente isso que me levou a assistir ‘Pegar e Largar’ e devo agradecer ao tédio por isso. O filme é muito bom e superou minhas expectativas.


Gray é uma mulher fiel, organizada e apaixonada pelo seu ex noivo. Quando ela o perde, seu mundo vira de cabeça para baixo. Ela tenta, no entanto, superar isso pensando que ele não gostaria de vê-la sofrendo, afinal, pelo que entendemos do falecido, ele adorava rir e fazer coisas perigosas. Mas o segredo que ele guardava acaba fazendo-a se dar conta que se casaria com um completo desconhecido e ao longo do filme você acaba por perceber que seu ex noivo não é o único a qual ela julgava conhecer, mas Fritz também.

Ao longo dessa jornada em busca de superar os recentes acontecimentos, Gray aprende muita coisa com os amigos loucos que tem, além de aprender também sobre si mesma e tudo isso é como mais uma lição de moral para nós, que assistimos.


O filme nos leva a pensar sobre o conhecimento que temos diante das pessoas, inclusive de nós. Muitas vezes achamos que conhecemos as pessoas com quem estamos lidando, que conhecemos a nós mesmos e ainda as pessoas as quais nem falamos direito. Julgamos tudo e todos a todo o tempo, e Gray é a personificação de tudo isso junto. Ela julga o noivo como um homem divertido e honesto que nunca lhe esconderia nada, julga Fritz como um irresponsável que só quer saber de farra e de “brincar de fazer filme” (na história, Fritz trabalha como diretor e fotógrafo numa grande capital), julga Maureen como uma vadia e a si mesmo como uma mulher perfeitamente ajustada, que só está devastada pela morte de seu noivo. Mas, é claro, o enredo nos mostra o contrário e isso faz com que quem assiste, se identifique.

O filme é muito suave, até um pouco parado e, embora se trate, basicamente, de uma superação, é possível dar boas risadas enquanto assiste.

RECOMENDAMOS À:
Todo fã de um bom romance com drama e até algumas risadas. Aliás, todos sabemos que se tem Jennifer Garner num filme, muito provavelmente ele é bom.

QUERO ASSISTIR! ONDE POSSO ENCONTRAR?
Netflix, locadoras de filmes e alguns sites na internet, é só pesquisar no Google.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

« »
© Razões Literárias - 2015. Todos os direitos reservados. Criado por: Lauren Yorres. Tecnologia do Blogger. imagem-logo